Via Marte utiliza padrão RFID da GS1

Tecnologia é aplicada no rastreamento de cargas enviadas via Correios

13 de Janeiro de 2022

Por: Redação

A fabricante e distribuidora de calçados Via Marte está rastreando os pedidos feitos em seu e-commerce até que eles cheguem ao consumidor final por meio de tecnologia de radiofrequência (RFID), em um projeto piloto que utiliza os serviços prestados pelos Correios com base no padrão global EPC/RFID em parceria com a Associação Brasileira de Automação - GS1 Brasil.

Segundo a própria Via Marte, o processo, além de ser muito mais rápido por identificar grandes quantidades de volumes de uma única vez, também proporciona segurança na entrega. Isso porque o RFID permite rastrear cada movimentação de modo automático e em tempo real, o que resulta na redução de erros logísticos.

“Resolvemos agregar essa tecnologia ao código de barras. Não se trata de substituição, mas de ferramentas complementares”, explica Ivair Kautzmann, gerente de Tecnologia da Informação da Via Marte. Na radiofrequência, ondas de rádio emitidas pelos leitores RFID por meio de antenas atingem etiquetas inteligentes que respondem informando um número único e inequívoco de identificação. Esse número é denominado EPC (Código Eletrônico do Produto), padronizado pela GS1.

“O que um elo da cadeia faz precisa e deve ser aproveitado pelo próximo, da fábrica até o consumidor final. Resolvemos testar o RFID padrão GS1 como verificação adicional de tudo que sai do e-commerce da Via Marte para que chegue ao destino sem qualquer erro”, relata Kautzmann. A ideia, explica o executivo, é utilizar a experiência do projeto piloto com os Correios para implementar a tecnologia RFID em todos os volumes despachados com todos os operadores logísticos.

Tags: via-marte gs1 tecnologia rfid e-commerce


ÚLTIMAS NOTÍCIAS

MAIS POPULARES

Transporte Ferroviário

Rumo completa um ano do projeto com trens de 120 vagões

Tecnologia

Volkswagen Caminhões e Ônibus investe na experiência digital

Estrutura

Primeserv inaugura nova sede em Pindamonhangaba



LOG CONTENT